Business Assurance - Viewpoint

Como as empresas estão fazendo a transição para a economia circular?

Conhecimentos gerais

Crescendo nas agendas corporativas

A economia circular está recebendo cada vez mais atenção tanto no debate público quanto com a emergência de legislações específicas em diversos países. Na pesquisa, 3 em cada 4 empresas afirmam que estão analisando ou discutindo o assunto. No entanto, a abordagem para a adoção da economia circular varia. Algumas já fizeram da economia circular o ponto central de sua estratégia empresarial, a fim de criar valor econômico e mitigar os impactos ambientais. Para 26%, está incorporado na estratégia de sustentabilidade da empresa e para 12,4% já é fundamental para suas estratégias de negócios atuais. As empresas na Europa refletem um alto interesse com 81,1% indicando que a economia circular foi discutida ou analisada. 

Circular economy topic analysed/discussed

Os drivers internos dominam a transição

Dois motores de transição da economia circular dominam: economia de custos (65,7%) e a capacidade de apoiar e aprimorar estratégias de sustentabilidade (57,5%). As empresas parecem mais focadas em suas próprias operações do que em fatores externos, como reputação da marca (39,6%) e demanda, engajamento e retenção do consumidor (29,6%).

O potencial total da transição para modelos de negócios de economia circular parece bastante inexplorado, até agora. Apenas 16,6% veem os novos fluxos de receita como um driver de transição. No futuro, as empresas que não seguirem nessa direção podem correr o risco de serem derrotadas por empresas mais inovadoras que adotam novos modelos de negócios e estratégias de receita, mudando o paradigma e perturbando o mercado.

As empresas na Europa indicam uma perspectiva um pouco mais externa, com pontuação acima da média tanto na reputação da marca (47,3% vs. 39,6%) quanto na demanda, engajamento e retenção do consumidor (36,7% vs. 29,6%). 

 

Circular economy transition drivers

A pressão regulatória é menos importante

O movimento na economia circular não parece resultar de pressão regulatória. Isso é apontado como driver de transição apenas por 23,4% das empresas. Além disso, um número ainda menor (15,4%) indica os requisitos das partes interessadas ou do investidor como motivadores.

Os números aumentam ligeiramente quando olhamos para grandes empresas (> 500 funcionários). A pressão regulatória é um impulsionador para 29,9% (vs. 23,4%), enquanto 20,4% (vs. 15,4%) apontam para a pressão das partes interessadas e dos investidores. 

Circular economy transition drivers

As empresas estão em movimento

Apenas 5,9% indicam uma abordagem madura para a economia circular, 29,6% estão em fase de desenvolvimento e 18,6% estão apenas começando. Mais de 50% das empresas que dizem que estão explorando ou adotaram pelo menos um modelo de negócio economia circular. Os níveis de implementação não foram investigados como parte desta pesquisa.

Dentro dos próximos 3-5 anos, cerca de 1 em 3 a intenção de adoptar um ou mais modelos, destacando a crescente relevância. Atualmente, os modelos mais prevalentes são a recuperação de recursos (39,6%) e extensão de vida do produto (30,3%). Nos próximos 5 anos, adotando uma fonte circular - substituir os recursos tradicionais com totalmente renovável, reciclado ou alternativas - parece ser o modelo de crescimento da maioria (41% vs 22,6% agora). Mais recentes modelos circulares economia, tais como produto como um serviço e partilha parecem menos dominante nas agendas das empresas (17,6% e 12,5% respectivamente).

empresas europeias relatar a implementação de quase todos os modelos de negócios a taxas mais elevadas. Um total de 62,2% já implementaram pelo menos um modelo em comparação com 49,4% na Ásia. O panorama europeu pode ser influenciada por regulamentos em países específicos e na União Europeia, por exemplo, o Plano de Acção Economia Circular UE. 

Circular economy business models adoption

O caminho para sucesso é complexo

As 3 principais iniciativas adotadas para alcançar uma abordagem mais circular são o design de produtos considerando os impactos ambientais e de recursos durante todo o ciclo de vida do produto (44,4%), a criação de uma cadeia de suprimentos mais sustentável (43,4%) e a expansão da vida útil dos produtos por meio de reparos, regeneração e recuperação (42,9%).

No entanto, uma abordagem circular bem-sucedida requer a integração de vários aspectos e ações. Por exemplo, 2 em cada 3 empresas que projetam produtos considerando os impactos ambientais e de recursos durante todo o ciclo de vida do produto estão realizando Avaliações de Ciclo de Vida (LCA). Os 64% comprometidos com a criação de uma cadeia de suprimentos sustentável também estão trabalhando no desenvolvimento de parcerias e estratégias de múltiplas partes interessadas. Isso vale também para os 61,4% que estão investindo em tecnologias.

Circular economy initiatives adopted/planned

A implementação precisa de medição estruturada

As empresas que já implementaram um modelo de negócios de economia circular têm um enorme potencial quando se trata de métricas e medições corporativas. A determinação do nível inicial de circularidade (linha de base) antes de implementar iniciativas foi concluída em 24,7%, apenas. Metas e metas específicas foram definidas em 29,8% e os indicadores de desempenho definidos em 26,7%.

A aplicação de métricas parece estar em uma fase inicial. Além disso, as empresas estão usando amplamente sua própria estrutura de medição circular (65,6%), em vez das desenvolvidas por organizações estabelecidas como a Ellen MacArthur Foundation ou o Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD).  

Corporate level metrics & circular measurement frameworks

Essencial para envolver toda a cadeia de valor

Entre as empresas que adotaram uma iniciativa de economia circular, 41% estão trabalhando com as recicladoras e operadoras de serviços de manutenção. Isso reflete o foco relatado pelas empresas na recuperação de recursos e extensão da vida útil do produto. No total, 35,7% trabalham com empresas de sua cadeia produtiva, 18,1% envolvem fornecedores logísticos especializados (logística reversa) e 17,1% incluem fornecedores de tecnologia em suas iniciativas.

Tornar-se verdadeiramente circular não é possível sem envolver toda a cadeia de valor de um serviço ou produto. Os departamentos de compras e os gerentes da cadeia de suprimentos devem integrar a circularidade em suas estratégias, sistemas e fornecedores para serem realmente capazes de estimular a inovação e fazer uma transição circular. 

External Partners for circular economy initiatives

Falta de incentivos e conhecimentos impõe barreiras

A falta de incentivos regulatórios e econômicos atrativos para o design sustentável (34,5%) e definições técnicas e jurídicas comuns de desperdício e circularidade (31,2%) encabeçam a lista de barreiras de transição enfrentadas por empresas que buscam projetar e implementar iniciativas de economia circular. O alto custo das soluções circulares, ou seja, dificuldade de manutenção, reutilização ou reparo, é destacado por 30,6%.

Vale ressaltar que 23,6% afirmam que a baixa conscientização, habilidades e capacidade dentro da minha organização é uma barreira de transição. Apenas 18% indicam a baixa conscientização e a inconveniência percebida pelos consumidores como um problema. Isso destaca a importância da construção de conhecimento interno dentro das organizações para ter sucesso na transição dos modelos de negócios. Além disso, parece haver uma lacuna a ser preenchida no que diz respeito aos marcos técnicos, jurídicos e regulatórios.

Circular economy Transition barriers

A redução de custos é um benefício principal

As empresas estão concentrando esforços principalmente em programas de recuperação de recursos e extensão ou regeneração da vida útil do produto. A economia de custos tende a ser um benefício típico gerado por esses modelos de negócios. Isso se reflete nos resultados da pesquisa de 57,2% das empresas. Ao mergulhar nos detalhes, 62% experimentaram economia de custos na gestão de resíduos, 56,8% na aquisição de recursos e fatores de entrada / matéria-prima e 45,2% nas operações e produções.

Um grande número de empresas melhorou sua imagem pública e reputação de marca (41,1%). A capacidade de cumprir os requisitos legais e regulamentares foi relatada por 38,5%. Um total de 32,6% obteve um benefício estratégico, ou seja, vantagem competitiva, e 21,6% foram capazes de abrir novas fontes de receita. A capacidade de ganhar participações de mercado e permitir novos fluxos de receita é essencial para escalar iniciativas piloto, maximizando o impacto e percebendo o potencial do modelo de negócios circular.

Circular economy benefits

Poucas empresas comunicam desempenho

A pressão sobre as empresas para operar de forma sustentável é significativa, desde funcionários internos até públicos externos e consumidores. O quão concretos e tangíveis são os compromissos e as ações realmente são, está constantemente sob escrutínio.

É interessante notar que 28,3% não comunicou o desempenho de um produto ou iniciativa circular. Entre os que compartilham, os canais corporativos parecem os preferidos. O relatório de sustentabilidade corporativa foi utilizado por 27,6% e 26,8% por meio do site corporativo e / ou outros canais de comunicação institucionais.

Apenas 19,3% compartilhados por meio de um rótulo de produto. Isso pode ocorrer porque é mais difícil demonstrar a validade das reivindicações ou compartilhar informações detalhadas. Soluções baseadas em tecnologia e marcação de blockchain, permitindo rastreabilidade digital, podem e já estão ajudando as empresas a chegarem aos consumidores. Essas soluções permitem que qualquer pessoa verifique instantaneamente os detalhes e a validade das declarações do produto.   

Circular economy communication channel

As equipes devem ser multidisciplinares

As equipes de projeto de economia circular consistem em competências multidisciplinares, adquiridas interna ou externamente. Profissionais dentro da estratégia foram envolvidos por 66,9% (internos 50,6%; externos 16,3%), compras por 61,9% (internos 45,6%; externos 16,3%), sustentabilidade por 65,7% (internos 45,4%; externos 20,3%), operações por 66,5% (interno 45,4%; externo 21,1%), P&D por 61,2% (interno 45,2%; externo 16%) e digital e inovação por 50% (interno 29,8%; externo 20,2%).

As empresas tendem a exigir diferentes níveis e envolvimento de especialização, dependendo do nível de maturidade de seu modelo de economia circular. Normalmente, quanto mais avançado você for, maior será o envolvimento de especialistas em todas as disciplinas. Recursos externos, especialmente em áreas mais especializadas, tendem a ser particularmente relevantes nas fases iniciais. 

Circular economy project team competencies by company’s circular economy maturity self assessment

A aplicação de solução digital não é difundida

As empresas que estão implementando ou considerando soluções digitais para apoiar seus projetos de economia circular estão explorando a gestão de informação e dados (32,1%), soluções de rastreabilidade e plataformas IoT (20,4%) e suporte à decisão de negócios (17%). A aplicação de soluções digitais ainda não parece muito difundida, principalmente entre as pequenas empresas (<100 funcionários) onde 30,1% nem mesmo as aplicam.

As tecnologias digitais são vistas por 19% como um facilitador e necessário para que as iniciativas sejam eficazes e 12,1% as indicam como um dos principais motores da transformação da economia circular. Além disso, 28,1% vêem o papel das tecnologias digitais como o aprimoramento da eficiência das iniciativas, mostrando como uma transformação da economia circular escalável requer uma abordagem digital e baseada em dados. 

Digital solutions and relevance for circular economy

O papel de terceiros podem agregar valor 

Quando questionados sobre o valor que as organizações terceirizadas podem agregar aos projetos de economia circular, 30,9% indicam demonstrar conformidade com os reguladores e 28,3% afirmam aumentar a confiança com os clientes e consumidores finais.

Como mostram os resultados da pesquisa, a transição da economia circular requer mudanças sistemáticas, parcerias e envolvimento de toda a cadeia de valor. Isso inclui os consumidores. Um terceiro habilitado por novas tecnologias digitais pode atuar como um facilitador, criando um ambiente confiável onde a inovação e a circularidade podem prosperar.

Circular economy third party role