DNV.com.br

Business Assurance - Viewpoint

Como as empresas estão fazendo a transição para a economia circular?

História geral

Roundabout in the middle of a forest

Introdução

Uma economia circular representa um afastamento dos padrões tradicionais de manufatura e consumo. O objetivo é reduzir o consumo de recursos, eliminando os resíduos do sistema. O conceito não é novo, mas os resultados desta pesquisa ViewPoint que visa compreender a adoção, novos modelos de negócios, ações e benefícios aplicados e alcançados por empresas em transição sugerem uma adoção limitada. Isso apesar do modelo industrial linear de coleta e desperdício tornar-se aceito como não mais viável em face do rápido crescimento populacional, restrição de recursos, urbanização em expansão, mudança climática, insegurança hídrica e outras tendências. 

O foco na economia circular tem motivadores internos e externos. Há uma pressão regulatória crescente sobre as empresas para se tornarem mais circulares. O plano de ação da UE para a economia circular, adotado em março de 2020, é um dos principais pilares do Acordo Verde da UE e aborda todos os aspectos da circularidade, desde a concepção do produto até a capacitação do consumidor e gestão de resíduos. ONGs como a Ellen McArthur Foundation e o Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD) estão rapidamente se tornando líderes em iniciativas e padrões, com redes compostas pelas maiores empresas privadas do mundo.

No entanto, a pesquisa indica que os esforços da economia circular das empresas parecem principalmente impulsionados por fatores internos, como redução de custos e aprimoramento de estratégias de sustentabilidade. 

Captação lenta e cautelosa 

Parece haver uma consciência crescente da necessidade e dos benefícios da circularidade, mas a adoção está atualmente em um nível baixo, embora algumas organizações tenham avançado mais e mais rápido. Mais da metade dos entrevistados relatam que estão começando a explorar a questão e estão preparados para adotar pelo menos um modelo nos próximos 3-5 anos. Cerca de 12% relatam que a circularidade é essencial para sua estratégia de negócios, mas apenas 5,9% indicam uma abordagem madura.

As respostas sugerem que a maioria das organizações concentra-se mais em motivadores internos do que em fatores externos. Menos de 40% veem a reputação da marca como um motivador e menos de 30% reconhecem a demanda, o engajamento e a retenção do consumidor como importantes. Atualmente, a demanda regulatória não está sendo vista como o principal fator para a transição. Os principais drivers internos parecem ser a recuperação de recursos e a extensão da vida útil do produto. Isso pode trazer benefícios imediatos, mas focar apenas em tais modelos pode retardar a transição. 

Estratégias em evolução

Não é surpreendente que as empresas inicialmente pareçam se concentrar principalmente nos produtos e serviços existentes, em vez de evoluir ou mudar radicalmente sua abordagem. Em comparação com as inovações de processo, a inovação de produto e, especialmente, do modelo de negócios envolve maior complexidade em sua adoção e exige mais alinhamento e mudança das partes interessadas.

Apenas um pequeno número de líderes progrediu para oferecer modelos circulares mais novos, como compartilhamento de produtos ou serviços, e para gerar novos modelos de receita. Mover-se nessa direção em escala é essencial para criar uma verdadeira economia circular. No entanto, essa jornada é complexa. Só é possível quando toda a cadeia de valor está envolvida e requer competência multidisciplinar que as empresas adquirem interna e externamente.

Embora seja compreensível que este não seja o primeiro movimento, pode ser arriscado a longo prazo não avançar, pois os concorrentes podem estar mudando o paradigma competitivo por meio de modelos de negócios circulares mais inovadores. 

Barreiras para superar 

Não é de surpreender que a baixa conscientização, habilidades e capacidade dentro da organização sejam indicadas como uma das barreiras de transição. Isso se soma à falta de incentivos regulatórios e econômicos, definições técnicas e jurídicas comuns e ao alto custo das soluções circulares. Isso levanta uma questão interessante em termos de como uma transição da economia circular pode ou deve ser possibilitada por governos e outras instituições. 

Apenas cerca de um quarto das empresas tem uma linha de base antes de implementar iniciativas, definir metas e objetivos ou mesmo definir indicadores de desempenho. Ao fazer isso, as empresas tendem a usar sua própria estrutura de medição circular em vez das estabelecidas por organizações líderes como a Ellen McArthur Foundation ou o Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD). A falta de métricas e medidas de desempenho estruturadas e modelos transparentes conhecidos representam uma ameaça tanto a capacidade de identificar modelos bem-sucedidos que podem ser escalados quanto a capacidade de comunicar esforços de maneira confiável e rastreável para clientes e consumidores.

Possíveis vantagens  

Parece haver benefícios para as empresas na exploração e integração de tecnologias digitais em seus esforços. Hoje, o foco está principalmente no gerenciamento de dados, rastreabilidade e IOT e suporte a decisões de negócios, mas as tecnologias digitais são centrais para os modelos de negócios de economia circular e facilitadores de ecossistemas mais recentes, tanto para o esforço em si, mas também como um incentivo e recompensa os consumidores.

Os consumidores de hoje exigem confiança e transparência instantaneamente. A área da economia circular provavelmente não é diferente. À medida que os esforços da economia circular avançam, será essencial criar um ambiente confiável onde a inovação e a circularidade possam prosperar. Em termos de compartilhamento, aqueles que realmente comunicam os esforços utilizam amplamente os canais corporativos e não o produto em si. Há um potencial inexplorado para as empresas aproveitarem as soluções digitais para se conectar diretamente com os consumidores a fim de envolver e incentivar escolhas sustentáveis.

Líderes  

A pesquisa analisou as 793 empresas (12,1% da amostra geral) que demonstram a abordagem mais madura, abrangente e avançada para a transição circular.

Os líderes estão mais inclinados a adotar novos modelos e estratégias, como leasing, pagamento por uso e compartilhamento. Isso exige que as funções de aquisição e cadeia de suprimentos integrem a circularidade de forma mais completa em suas estratégias e sistemas. Estimular a inovação na base de fornecimento por meio de uma grande circularidade pode criar valor agregado ao fornecer uma base de fornecimento mais resiliente e inovadora. 

Como todas as empresas enfrentam fortes pressões para serem sustentáveis ​​e fazer parte da solução, elas estão constantemente sob o escrutínio de uma ampla gama de partes interessadas. Para serem transparentes, devem ser concretos em seus compromissos e ações. A comunicação em torno da circularidade deve ser baseada em métricas sólidas que sejam instantaneamente rastreáveis ​​para refutar e evitar ser percebida como uma lavagem verde.

A falta de medição da circularidade e dos indicadores de desempenho representa um risco para a capacidade das empresas de se comunicarem de maneiras confiáveis ​​e para a escalabilidade dos primeiros investimentos em modelos de negócios circulares. Sem medições baseadas na ciência da linha de base e das melhorias, as empresas podem enfrentar dificuldades para identificar as iniciativas bem-sucedidas e aumentá-las em toda a organização. Além disso, é virtualmente impossível construir a transparência e a confiança necessárias no desempenho alegado.

Aqui, os líderes se destacam como mais sistemáticos em sua abordagem e na aplicação de métricas e medições de nível corporativo. Este é um passo essencial na transição para um estágio em que as economias circulares prevalecem e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU são alcançados.