Skip to content

A importância do mapeamento abrangente e representativo das partes interessadas na materialidade

Para evitar pontos cegos ou resultados de avaliação de materialidade etnocêntrica, é crucial que as empresas envolvam as partes interessadas em todos os níveis de toda a cadeia de valor e nas geografias em que operam.

Por Alexia Koch, Consultora de Sustentabilidade, Reino Unido


Você mapeou de forma abrangente os stakeholders da sua empresa? Você incorporou os insights de uma variedade de vozes adequadamente diversificada em sua mais recente avaliação de materialidade?

A importância das avaliações de materialidade e do envolvimento das partes interessadas para a definição de estratégias e relatórios ESG é amplamente reconhecida. A orientação existente sobre avaliações de materialidade enfatiza a necessidade de as empresas mapearem seus stakeholders relevantes e se envolverem com eles. No entanto, como o conjunto relevante de partes interessadas pode variar tão completamente de uma empresa para outra, há pouca disposição entre os criadores de estruturas e padrões para serem mais prescritivos na questão do mapeamento das partes interessadas.

Para evitar pontos cegos ou resultados de avaliação de materialidade etnocêntrica, é crucial que as empresas envolvam as partes interessadas em todos os níveis de toda a cadeia de valor e nas geografias em que operam.

A qualidade de uma avaliação de materialidade depende diretamente da diversidade de pontos de vista que ela incorpora. As empresas devem considerar perspectivas além daquelas de seus stakeholders mais evidentes ou influentes. A probabilidade e a escala dos impactos potenciais de uma empresa no planeta e nas pessoas só podem ser avaliadas se as partes interessadas, como membros da comunidade local, sindicatos, fornecedores, consumidores, sociedade civil/ONGs, representantes do governo e acadêmicos, forem incluídos como principais participantes das avaliações de materialidade, complementando as perspectivas de partes interessadas mais visíveis, como investidores.

As avaliações de materialidade também precisam envolver as partes interessadas internas que abrangem todos os níveis e funções da organização para garantir que as opiniões dos membros do conselho e da alta administração sejam contextualizadas pelas vozes daqueles consultados com menos frequência. É igualmente crucial que o pool de partes interessadas selecionado reflita a diversidade geográfica e étnica de empresas com cadeias de valor internacionais.

Sem um esforço concentrado e foco na representação diversificada entre as partes interessadas que uma organização envolve, os resultados da avaliação de materialidade podem apenas pintar metade do quadro.

A DNV tem experiência na realização de Avaliações de Materialidade e Engajamento de Partes Interessadas para clientes em uma ampla gama de setores, tamanhos de empresas e níveis de maturidade em sua jornada de sustentabilidade. Trabalhar de forma colaborativa para orientar a fase de mapeamento das partes interessadas fortalece a qualidade dos dados coletados na fase de engajamento, criando entendimento e adesão em todos os níveis da cadeia de valor.