Business Assurance - ViewPoint

O que importa para os consumidores na transição circular?

História Geral

Garbage on the beach

Que há uma necessidade de transição para um modo de vida mais sustentável talvez não esteja em questão, mas se o mundo está se movendo rápido o suficiente, sim. A pesquisa com consumidores da DNV sobre economia circular sugere que o engajamento é determinado por vários fatores e há muitas oportunidades para aumentar seu nível de envolvimento. Embora as empresas possam ser pressionadas a adotar novos modelos de negócios por reguladores e iniciativas como o plano de ação de economia circular da UE, os consumidores tendem a ter mais liberdade para determinar suas próprias ações. Estes vão desde comportamento de compra seletivo e programas circulares até boicotes ou desinteresse quase completo no outro extremo da escala.

Ações de conscientização avançam 

Cerca de 35,8% não sabiam o que é economia circular. Esses entrevistados foram excluídos da pesquisa. Dentre os demais, quase possuem amplo conhecimento e participam ativamente. Isso é muito promissor, pois dá às empresas algo para construir e gerar resultados. Aqueles que expressavam um conhecimento leve, em sua maioria, não estavam familiarizados com os detalhes, deixando um enorme potencial para envolvê-los ainda mais. O conhecimento parece ser maior entre as faixas etárias mais jovens. Embora seja possível que um menor engajamento por pessoas acima de 55 anos possa ser mais devido à falta de familiaridade com o termo do que o próprio conceito. A maioria dos entrevistados (60%) usou fontes de mídia para coletar informações enquanto discussão política e amigos foram usados ​​por menos de 30%. Quase todos os entrevistados acham que os consumidores podem desempenhar um papel na economia circular (86,1%). Destes, 65,4% acham que podem contribuir com a compra de produtos sustentáveis ​​e reciclagem adequada. Curiosamente, 20,7% acreditam que boicotes e advocacy podem funcionar, o que pode representar um risco para empresas que não se aprimoram e comunicam sua contribuição para a circularidade.  

Engajamento pessoal

Os consumidores tendem a se concentrar mais nos aspectos da circularidade que estão mais próximos e nas principais questões de preocupação na vida cotidiana de uma pessoa. A redução de resíduos ficou em primeiro lugar, seguida pela economia de água, limitação das emissões de gases de efeito estufa, redução da extração de recursos naturais e melhores condições sociais e de trabalho. Todos os aspectos pontuam alto, o que pode indicar que os consumidores estão cientes de que a circularidade é um desafio sistêmico a ser abordado em múltiplas dimensões. Ao analisar a diferença entre as faixas etárias, 76,5% acima dos 55 anos acharam que a redução do desperdício era mais relevante, em oposição a apenas 42,5% das idades de 18 a 24 anos. Passando para as ações tomadas, os consumidores estão engajados principalmente na reciclagem e reutilização. Isso reflete o foco atual das empresas na inovação de processos e produtos. A compra de novos produtos com propriedades recicladas foi a ação mais relatada. Novamente, há diferenças marcantes de idade e gênero. Por faixa etária, a opção de segunda mão foi mais favorecida pelas idades de 18 a 24 anos. Uma mudança nos modelos de economia circular, em direção a mais inovação nos modelos de negócios, é essencial para alcançar uma verdadeira economia circular. Escalar esses modelos também é outra maneira de fazer com que os consumidores mudem o comportamento e impulsionem o progresso. 

Incentivando o envolvimento

Em geral, os entrevistados são bastante receptivos aos modelos de economia circular. Este é um aspecto positivo que as empresas devem capitalizar. De fato, 43% dos consumidores expressam interesse pessoal na economia circular. Parece haver vários aspectos que entram em jogo quando os consumidores decidem comprar produtos circulares. Informações sobre pegada ecológica, condições de trabalho e de trabalho e qualidade do produto pontuam mais alto. No entanto, todos os aspectos pontuam alto, o que indica que fabricantes e marcas têm múltiplas dimensões circulares para atuar. O que se percebe pelas respostas é que os consumidores procuram fabricantes e empresas mais proativos. A maioria acredita que as empresas/marcas devem assumir a responsabilidade pela reciclabilidade e fim da vida útil do produto, além de serem mais inovadoras. Os canais existem para as empresas se envolverem com os consumidores. Os consumidores podem ser um pouco céticos ou nem mesmo saber exatamente o que querem. No entanto, há uma oportunidade de alcançar vários canais, em vários tópicos de forma transparente para criar engajamento e confiança na transição circular. 

Mergulhe em áreas específicas

Para obter uma visão mais aprofundada sobre o que motiva os consumidores, foram feitas várias perguntas sobre a indústria da moda, eletrônicos e embalagens plásticas. Os produtos de moda circular parecem ser bastante visíveis e 67,7% já viram um produto em loja ou online. As principais razões para escolher tal item, no entanto, ainda são o estilo e o preço. Contribuir para causas ambientais e circulares ocupa o terceiro lugar. O preço é especialmente relevante para as gerações mais jovens, o que está potencialmente ligado ao seu poder de compra. Para aqueles com mais de 55 anos, o ato de ser sustentável pontua acima da média e eles estão dispostos a pagar mais do que seus colegas mais jovens, talvez. Isso pode indicar que, quando o poder de compra aumenta, aumenta também a possibilidade de agir mais livremente e de acordo com a convicção pessoal. Quando se trata de eletrônicos, a circularidade dos produtos foi altamente avaliada, embora a maior ênfase tenha sido na confiabilidade, durabilidade e reparabilidade. As taxas de reciclagem são bastante baixas e, como os programas de devolução tendem a não ser bem divulgados, isso pode ser um fator. A educação e o poder de compra parecem influenciar os padrões comportamentais. Aqueles acima de 55 fazem mais reparos. As gerações mais jovens tendem a comprar mais em segunda mão e alugar em vez de possuir. Isso pode refletir uma mistura de estar na moda e que eles têm menos poder de compra. Menos empresas se envolvem em inovação de modelo de negócios, como produto como serviço, o que também pode explicar a menor adoção entre os consumidores. A conscientização sobre embalagens plásticas é surpreendentemente alta. Quase metade decidiu não comprar um produto porque a embalagem não era sustentável. Aqueles que ainda comprariam podem não estar necessariamente em posição de evitar fazê-lo. Além disso, o grande número de entrevistados que afirma que as embalagens plásticas são aceitáveis se descartadas ou recicladas de forma responsável mostra a importância de tais programas.